sábado, 29 de dezembro de 2012

Ca&Du

Um amor verdadeiro dura para SEMPRE!
Em breve vamos comemorar dois anos de casamento!



quinta-feira, 12 de agosto de 2010

Como provar a veracidade da Bíblia?





Provas de que a bíblia é a palavra de deus
1. A frescura da Bíblia atesta a sua inspiração divina. A erosão dos séculos não a afetam. A Bíblia é semelhante a uma fonte de água. A fonte é sempre a mesma, mas a água é sempre fresca. É o Eldorado do tesouro celestial. Os filões de ouro nunca se esgotam nem os seus bolsos se esvaziam. Como com os tesouros da terra, os suas riquezas devem ser diligentemente procuradas, se as quisermos encontrar. Há crentes que estão a ler a Bíblia pela 50ª vez. Que livro mereceria uma 50ª leitura? Refrigera tanto ocidentais como orientais, antigos como modernos. Têm-se escrito milhares e milhares de livros sobre ela. E ninguém a esgota. Pois bem, o que a mente do homem produz, a mente do homem pode esgotar. Se ninguém a pode esgotar, isso por si revela como a mente que está por detrás dela é mente não humana. É mente divina. A Bíblia é a Palavra de Deus. Como com o azeite e a refeição que nutriu Elias, a Bíblia é inesgotável.

2. A honestidade da Bíblia. Se a Bíblia fosse produto de meros homens, não inspirados por Deus, o seu conteúdo seria diferente. Apesar de ter sido escrita por Judeus, as vitórias alcançadas por estes são atribuídas a Deus e não ao seu gênio. E eles registaram nas suas páginas, não apenas as vitórias, mas as derrotas sofridas. Vê-se claramente que os seus escritores não atuaram por princípios comuns da natureza humana. Os historiadores humanos atenuam e omitem as falhas e fracassos dos seus favoritos e dos seus heróis. Uma história forjada teria revestido os amigos só de virtudes. Não há paralelo no reino da literatura. O leitor atento da Bíblia conclui, à priori, num primeiro relance, que Israel foi a nação mais depravada. Mas não, o facto é que a história de Israel foi transmitida com fidelidade e honestidade. Por exemplo, o historiador Josefo silencia e omite o que é desfavorável à sua nação.

3. O caráter dos seus ensinos.

a. Acerca de Deus – eterno, infinito, soberano, onipresente (presente e ciente), imutável, infalivelmente justo, absolutamente santo, sendo simultaneamente amor. Nada pode ser comparada nas bibliotecas com a descrição sublime e exaltada do Deus da Bíblia. Um Deus assim nunca poderia ter sido inventado. Todos os deuses inventados e imaginados pelos homens encontram-se num patamar completamente diferente.

b. Acerca do homem. Os ensinos da Bíblia sobre o homem são únicos e exclusivos. Ao contrário dos outros livros, a Bíblia condena o homem. Não elogia nada nele. Não faz de Satanás a fonte de todo o mal de que somos culpados. «Porque do interior do coração dos homens saem os maus pensamentos, os adultérios, as prostituições, os homicídios, os furtos, a avareza, as maldades, o engano, a dissolução, a inveja, a blasfêmia, a soberba, a loucura. Todos estes males procedem de dentro e contaminam o homem (Marcos 7.21-23). Tal concepção do homem tão diferente do pensamento humano nunca poderia emanar do homem. Se a autoria da Bíblia fosse humana, o homem não escreveria contra si deste modo.

c. Acerca da condenação eterna. Sofrer conseqüências eternas por erros praticados numa vida tão curta? A pena não se “ajusta” ao crime. Muita da própria Cristandade não acredita neste ensino da Bíblia, o que só vem comprovar que a sua origem é divina e não humana, pois é estranho ao pensamento humano. No entanto muitos sofrem penas bem longas aqui na terra por erros praticados em meros segundos.


4. O cumprimento das profecias. As profecias da Bíblia cumprem-se a 100%, ao contrário das profecias dos homens, que na melhor das hipóteses se cumprem a 60% - 70%, como foi reconhecido em congresso recente de videntes nos E.U.A.. Por exemplo, foi profetizado que Cristo, séculos antes vir ao mundo, seria vendido por 30 moedas de prata e foi traído por essa quantia exata. «Então, se realizou o que vaticinara o profeta Jeremias: Tomaram as trinta moedas de prata, preço do que foi avaliado, que certos filhos de Israel avaliaram» (Mateus 27:9). Por exemplo, a crucificação foi um método de tortura introduzido pelos Romanos. Pois bem, antes deste povo – Romanos – existir, o Rei Davi profetizou, muitos séculos antes, acerca de Cristo, o seguinte: «Pois me rodearam cães; o ajuntamento de malfeitores me cercou; traspassaram-me as mãos e os pés» (Salmos 22:16). Falou do crucificado antes de existir crucificação. Na altura, a pena capital era por apedrejamento. Isaías também profetizou acerca d’Ele quando disse, «Ele foi oprimido, mas não abriu a boca; como um cordeiro, foi levado ao matadouro e, como a ovelha muda perante os Seus tosquiadores, Ele não abriu a boca» (Isaías 53.7). Quem podia prever que um prisioneiro, com a vida por um fio, diante dos seus juízes e algozes, não esboçaria a menor defesa?

5. O significado típico, ou figurativo, da Bíblia. «Eis aqui venho (no princípio do livro está escrito de mim), para fazer, ó Deus, a tua vontade». (Heb. 10.7).A Bíblia é mais que um conjunto de livros históricos, mais que um sistema social e de legislação religiosa, mais que código e ética. Os instrumentos humanos usados para que fosse escrita não sabiam o que escreviam. Aquilo que para muitos não passa de meras histórias não são senão retratos admiráveis de Cristo. Não admira, por isso, ver os que a escreveram interrogando-se quanto ao significado daquilo que escreviam. Hoje podemos ver Cristo em todas as Escrituras. O próprio Senhor disse, «Examinais as Escrituras, porque vós cuidais ter nelas a vida eterna, e são elas que de Mim testificam» (João 5:39). Que história autêntica supriria uma série de personagens, todas elas diferentes, e de diferentes séculos, cujos caracteres e histórias, compreendem outro personagem? Pois Cristo é visto em personagens e histórias tão díspares quanto, Adão, Abel, Enoque, Noé, Abraão, Isaque, Jacob, José, Aarão, Moisés, tabernáculo, Josué, Samuel, Sansão, David Salomão, templo, Elias , Eliseu, Jeremias, Daniel, Jonas e outros.

6. A unidade da Bíblia. A Bíblia foi escrita em 2 continentes, 3 línguas, durante 16 séculos. Foi escrita em várias circunstâncias – tendas, aldeias, palácios, prisões, por reis, sacerdotes, profetas, 1ºs ministros, pastores, soldados, pescadores, médicos, etc., e é apenas um livro. Chamem-se hoje vários sábios que façam um livro (não haverá unanimidade). Juntemos a literatura de diferentes séculos e veremos que não há unanimidade. Imaginemos 40 pessoas de diferentes nacionalidades, com vários graus de cultura musical, intervaladas no tempo, a escreverem 66 diferentes notas, que combinadas, compusessem a maior obra musical. A diferença jaz no fato dos 40 da Bíblia terem tido por detrás de si uma mesma Mente. Quando ouvimos uma orquestra com vários instrumentos sabemos que por detrás dela existe um gênio que não tem que, necessariamente estar visível.

7. A Influência da Bíblia. A sua influência é mundial. Afetou a literatura, a música, a arte, o próprio homem. Que livro há que mude tanta coisa? E isto ainda se torna mais notável quando vemos a sua antiguidade. E coisa notável – apesar da sua antiguidade não é antiquada; a sua vitalidade não diminuiu, e a sua influência continua irresistível.

8. O acabamento da Bíblia. A sua composição foi acabada há praticamente vinte séculos, quando a maioria do mundo era incivilizado. Depois vieram as descobertas, os inventos, e nada a ultrapassou. O que é que hoje o homem sabe mais sobre a vida, a morte, o sofrimento? A Bíblia não precisa de nenhuma Errata nem de nenhuma Adenda, Separata ou Anexo. A Bíblia adapta-se a todos os séculos, a todas as idades, a todas as culturas e a todo o conhecimento. Os livros de Platão podem ser fonte de instrução, mas não os podemos colocar nas mãos de uma criança. Os Lusíadas têm interesse para os Portugueses e poucos mais, mas nenhum para os Ugandeses.

9. A indestrutibilidade da Bíblia. Poucos são os livros que sobrevivem. Há outros que também são antigos. No entanto nenhum foi perseguido como a Bíblia. Até por supostos amigos ela tem sido atacada ao longo dos séculos. Porque tem ela suscitado tanta animosidade e ódio? Porque lhes aponta o pecado. É incomodativa. Imaginemos um homem que vivesse 20 séculos, que tivesse sido lançado ao mar, e não pudesse ser afundado, lançado às feras e não pudesse ser devorado, tivesse sido aprisionado e estivesse sempre livre, queimado e sempre intacto, envenenado e sempre cheio de saúde. Estaríamos diante de um super-homem. Pois é! Falamos da Bíblia – o super-livro.



AINDA A BÍBLIA
«Seca-se a erva, e caem as flores, mas a palavra de nosso Deus subsiste eternamente»
(Isaías 40.8)

A vida de Cristo hoje é vista na vida da Bíblia. Imaginemos um livro compilado como a Bíblia. Tomemos 66 livros de medicina escritos por 40 diferentes médicos durante um período de cerca de 1600 anos, oriundos de várias escolas de medicina, como a Alopatia, Homeopatia, Hidropatia, Osteopatia, etc. Que sucesso pensamos poder ter tal livro, e que acordo entre os médicos? E que crédito nos mereceria hoje?
Apesar de ser a revelação de Deus ao homem não foi escrita numa linguagem super-humana ou celestial. Se assim fosse ninguém a compreenderia. A sua origem sobrenatural é vista no fato de poder ser traduzida em qualquer língua sem perder o seu poder ou vida espiritual.

A Bíblia não teme a investigação. Em vez disso ela desafia a consideração e o exame. Quanto mais a examinamos mais confirmamos que é a Palavra de Deus. Os verdadeiros crentes nela não são um grupo de entusiastas fanáticos. Não amam mitos. Abominam a superstição. Quando errados gostam de ser corrigidos, quando enganados gostam de ser desiludidos. A Bíblia é inspirada no sentido mais estrito, e é digna de toda a confiança.


CUMPRIMENTO LITERAL DA BÍBLIA

«E os ossos dos sacerdotes queimou sobre os seus altares e purificou a Judá e a Jerusalém» (2 Crônicas 34.5)

Josias fez o que lemos em 2 Crônicas 34.5, cumprindo uma profecia predita mais de 300 anos antes pelo homem de Deus de Judá, a saber: «E clamou contra o altar com a palavra do SENHOR e disse: Altar, altar! Assim diz o SENHOR: Eis que um filho nascerá à casa de Davi, cujo nome será Josias, o qual sacrificará sobre ti os sacerdotes dos altos que queimam sobre ti incenso, e ossos de homens se queimarão sobre ti» (I Reis 13.2). Talvez a profecia estivesse esquecida e os descrentes talvez a ridicularizassem quanto ao seu cumprimento. Mas quando o tempo de Deus chegou a Sua Palavra foi literalmente cumprida. Hoje é assim. Os Racionalistas zombam da Palavra de Deus. Outros espiritualizam as Escrituras nas suas profecias. É uma das características dos últimos dias:

«Sabendo primeiro isto: que nos últimos dias virão escarnecedores, andando segundo as suas próprias concupiscências e dizendo: Onde está a promessa da Sua vinda? Porque desde que os pais dormiram todas as coisas permanecem como desde o princípio da criação. Eles voluntariamente ignoram isto: que pela Palavra de Deus já desde a antiguidade existiram os céus e a terra, que foi tirada da água e no meio da água subsiste; pelas quais coisas pereceu o mundo de então, coberto com as águas do dilúvio. Mas os céus e a terra que agora existem pela mesma palavra se reservam como tesouro e se guardam para o fogo, até o Dia do Juízo e da perdição dos homens ímpios.
( 2 Pedro 3.3-7).
É curioso que quando isto foi escrito, seria impensável e improvável tal poder acontecer. Hoje ninguém tem dúvidas. É só premir alguns botões.

Fonte: http://www.sepal.org.br

segunda-feira, 12 de julho de 2010

Meu noivado




Um momento único, especial, sublime
Um grande passo na vida de qualquer pessoa
Que Deus esteja presente em nossas vidas
e nos dê um futuro maravilhoso.
“O amor é sofredor, é benigno; o amor não é invejoso; o amor não trata com leviandade, não se ensoberbece.
Não se porta com indecência, não busca os seus interesses, não se irrita, não suspeita mal;
Não folga com a injustiça, mas folga com a verdade;
Tudo sofre, tudo crê, tudo espera, tudo suporta.”
Coríntios 4:7

segunda-feira, 6 de julho de 2009

Só sentimos


Existem certos sentimentos que não queria experimentar novamente
Às vezes nosso coração pode ficar dilacerado, feridas podem surgir
E o difícil sempre é fazer sarar
Sarar a dor, o choro, o pranto
Simplesmente descobri que existem certos sentimentos que não podemos deixar de ter
Eu queria poder bloquear as entradas do meu coração
Porque as pessoas entram e não conseguimos tira-las mais?
Em alguns momentos eu me perco em lágrimas
E o que eu posso fazer para evitar me afogar?
Preciso da certeza de que não estou desamparada
Queria poder me transformar
Queimar as minhas dúvidas e incertezas
E ressurgir de suas cinzas para uma vida melhor
Só quero entender porque algumas coisas são tão difíceis de esquecer
Difíceis de acreditar, difíceis de suportar...
Espero um dia compreender...

domingo, 7 de junho de 2009

Novas emoções


Podemos nos encontrar em um estado bastante intrigante,
A vontade de ter, de sentir algo
E não sentir
Desejos insaciados
Necessidades que queimam o coração
Fortes emoções desejo sentir
Reprimimos as nossas vontades
e isso nos torna impacientes
Queria conseguir mudar o tempo frio
Ter calor e sorrir
Sentir-me diferente
Sentir-me satisfeita com alguma coisa
Quero um coração acelerado
Mas não por medo, desespero
Mas sim por algum momento empolgante
Queria retornar à pré – adolescência
Apesar de ter sido muito ingênua
Possuía sensações que eram muito especiais
O tempo passa e consumimos as lembranças
de um tempo prazeroso, inesquecível
Mas que não volta
Não me canso de repetir em meus poemas,
Palavras do meu coração,
Que gostaria de construir e sentir novos momentos
E enterrar os ruins
Talvez eu ainda deseje momentos parecidos com os de antes
Talvez porque precise terminar algo que deixei para trás
Quero sentir tudo de novo
Quero saciar o meu desejo,
Despertar um sonho adormecido
E assim dar continuidade a algo que abandonei
Que permiti passar.

©Copyright 2008 - Camila Cavalcante :::: Design by: H4ck3rik.com